Film Symphony Orchestra – A Magia do Cinema de John Williams

Dia 4 de Maio o Coliseu dos Recreios de Lisboa recebeu a Film Symphony Orchestra num concerto especial dedicado a John Williams.

A entrada em palco dos músicos foi acompanhada de muitas palmas por parte da plateia e quando o maestro Constantino Martínez-Orts entrou em palco com a sua simpatia e começou a falar um português conquistou de imediato o público. Todas as suas intervenções foram feitas na nossa língua.

Quando se ouviu o tema da abertura clássica da 20th Century Fox, todo o Coliseu se transformou numa enorme sala de cinema e foi a saída perfeita para a viagem cinematográfica que se iria seguir. Depois desta perfeita introdução ouviu-se o tema dos Jogos Olímpicos.

“Apanha-me se puderes” filme com Leonardo DiCaprio e Tom Hanks foi o filme que se seguiu.

Para representar o poder que a música pode ter nos momentos de maior suspense, o tema de “Tubarão” foi perfeito para o efeito.

Vindo de 2005 a valsa do presidente de “Memórias de uma gueixa” vieram embalar a sala num comovente conforto.

Seguiram-se fragmentos de músicas do filme “Encontros imediatos de 3º grau” e “Nascido a 4 de Julho”.

Rapidamente juntaram-se Peter Pan e Sininho e voou-se até à Terra do Nunca relembrando o filme “Hook”. Continuando em grandes voos e desta vez recordou-se “E.T.: O extraterrestre”.

Na recta final da primeira parte do espectáculo percorreu-se a ilha do “Parque Jurássico” e houve uma viajem até Hogwarts recordando “Harry Potter e a pedra filosofal”.

Antes do intervalo foi sugerido à plateia que descarregasse a aplicação da FSO, porque a primeira selecção de músicas da segunda parte entrava a concurso e quem adivinhasse habilitava-se a ganhar uma viajem a Hollywood, selecção esta que contou com pequenos excertos da Guerra dos Tronos, Pantera Cor de Rosa e Titanic, entre outros.

Depois do passatempo, os Cowboys dominaram a sala com uma selecção de temas.

De forma séria e introspectiva chegou “A lista de Schindler”, que arrebatou completamente a audiência.

“As bruxas de Eastwick” e a história baseada em factos verídicos de “Terminal de aeroporto” foram as músicas que se escutaram de seguida.

O clássico “Um violino no telhado”, de 1971, também não foi esquecido nesta selecção de temas que deram corpo a este concerto.

A entrar na recta final deste concerto ouviu-se o esperado tema de “Indiana Jones” e de “Super-Homem” para gaudio dos presentes.

Foi então que se entrou numa outra galáxia com o tema de “Star Wars: episódio IV uma nova esperança” acabando com a plateia toda de pé. Depois de Martínez-Orts ter saído de palco o público exigiu mais, e este regressou e de repente todos os arcos das cordas se iluminaram, qual sabre de luz, para tocarem a marcha imperial de Darth Vader, um encore que terminou um concerto grande num grande concerto!

Texto: Raquel Coelho