Dançou-se Flamenco Entre Sombras de Luz e Silêncios Retumbantes!


“Sombras” foi o espetáculo de Flamenco que Sara Baras trouxe ao Casino do Estoril no Salão Preto e Prata no dia 10 de maio pelas 22:00 horas, numa noite que se fez ventosa mas que em sala aqueceu.

Entre o ritmo lento e acelerado Sara mostrou o que são uns pés ritmados e velozes. O que são uns braços firmes e ágeis. O que é um corpo de movimentos suaves em contrastes com rodopios lestos.

Seis bailarinos do Corpo de Baile, quatro femininos e dois masculinos entraram em palco para abrir “Sombras”, para depois Sara aparecer vestida de negro numas calças e blusa em que realçava uma fica ao pescoço e uma flor na sua longa trança, ambas de cor encarnada.

Os Bailarinos, María Jesús García Oviedo, Charo Pedraja, Cristina Aldón, Sonia Franco, Daniel Saltares, David Martín, abrilhantaram os momentos em que Sara se ausentava para troca de indumentária. Sara mostrou a sua raça, a sua energia em vestidos que realçaram os seus movimentos.

A sala em silêncio absorve o tocar do tacão, as batidas das mãos no corpo e foi com ar compenetrado que se entregou ao momento para depois sorrir nos aplausos. E ela tem um bonito sorriso!

A Bailarina veio bem acompanhada de músicos e são eles, Diretor musical – Keko Baldomero, no Saxofone e Oboe – Tim Ries músico convidado (compositor de sus intervenciones), na Guitarra – Keko Baldomero e Andrés Martinez, na Percussão – Antonio Suárez e Manuel Muñoz “Pájaro”.

No Cante – Rubio de Pruna e Israel Fernández, duas brilhantes vozes com as tão características ressonâncias para o efeito.

Como convidado para dançar, Sara trouxe José Serrano, e como seria de esperar mostrou a sua estirpe no masculino.

Foi uma noite de despertares e de provocações entre sombras de luz e silêncios retumbantes!

 
Texto: Raquel Ataíde
Fotos: Jorge Torres Carmona

Flickr Album Gallery Pro Powered By: wpfrank