Um Palco Simples, uma Tela Gigante, um Espetáculo Calmo.

Foi assim que no passado dia 30 de Novembro na Altice Arena se ouviu “Carminho Canta Tom Jobim”.

Na Tela projeções de imagens serenas e de cores calmantes.

Foram cerca de dois anos que Carminho esteve para preparar este álbum. A fadista lembrou após as primeiras músicas “Sabiá” e “Inútil Passagem”, que quando o Filho de Tom chegou ao pé dela lhe entregou cerca de 300 músicas e lhe disse – agora escolhe!

Carminho apresentou-se de preto, calça e top, com um colete comprido transparente demonstrando a silhueta.

Quando anunciou “Falando De Amor”, Carminho dedicou o espetáculo ao Zé Pedro.

Convidada foi, Marisa Monte, cantou “Estrada Do Sol”, “Chuva No Mar”, “Peixinhos” e “Vilarejo” e que a fadista acompanhou.

Na Banda de 4 elementos, estiveram o filho e Neto, Paulo e Daniel, que acompanharam Tom Jobim ao vivo nos seus últimos dez anos, composta também na formação inicial por Jaques Morelenbaum e Paulo Braga, nestes sons de Bossa Nova.

Carminho esteve emocionada e foi quando se entregou ao sentimento que um engano aconteceu.

Explicou que aconteceu por isso mesmo, porque quem canta também se entrega e divaga na canção.

Merecedora de ovação em pé quando no encore, “Vou-te contar os olhos já não podem ver, coisas que só o coração pode entender…” termina a noite com uma das mais cantadas de Jobim, “Wave”.

Texto: Raquel Ataíde
Fotos: Jorge Torres Carmona

Flickr Album Gallery Pro Powered By: wpfrank