Nouvelle Vague a 02 de Julho – 22H00 na 1ª Edição Festival Jardins do Marquês – Oeiras Valley

No mês de julho, alguns dos grandes nomes da música vão passar pelo novo festival Jardins do Marquês – Oeiras Valley. Depois das confirmações de Cat Stevens, Lighthouse Family, Camané & Mário Laginha, Rufus Wainwright e Seu Jorge & Daniel Jobim, há mais um espetáculo a não perder. A receita não é para qualquer um, mas neste caso funciona na perfeição. New Wave, sensibilidade francesa e Bossa Nova, tudo junto e com muita classe: os Nouvelle Vague atuam dia 2 de julho, nos Jardins do Palácio do Marquês de Pombal em Oeiras.

Nouvelle Vague significa “new wave” em inglês e “bossa nova” em português. E o nome aparece como uma declaração de intenções da própria banda: recriar temas new wave e pós-punk com um toque de música brasileira. O projeto nasceu do talento de dois produtores franceses: Marc Collin e Olivier Libaux. Antes deste encontro, ambos já tinham uma carreira na música. Marc tocava com o grupo de trip-hop Ollano, fazia bandas-sonoras para filmes e aventurava-se na música eletrónica; no caso de Libaux também participou em várias bandas franceses da década de 90 antes de começar a trabalhar com Marc Collin, em 1998. Uma das primeiras preocupações de Marc e Olivier foi recrutar uma série de vozes que não estivessem familiarizadas com temas como “Love Will Tear Us Apart” dos Joy Division ou “Making Plans For Nigel” dos XTC – o objetivo era garantir que a música dos Nouvelle Vague soasse realmente a algo novo, sem estar colado às versões e interpretações originais. O primeiro disco, “Nouvelle Vague”, foi editado na Europa em 2004 e nos Estados Unidos em 2005. O sucesso foi imediato e fez com que os Nouvelle Vague viajassem para lugares tão distantes como Xangai, Rio de Janeiro, Nova Iorque ou Los Angeles. Nessa senda de sucesso, em 2006, editaram o seu segundo disco. Esse “Bande à Part” e os discos seguintes consolidaram a linguagem da banda, conquistando milhares de ouvintes um pouco por todo o mundo. A prova do sucesso dos Nouvelle Vague é perceber que algumas das vozes que se apresentaram com os Nouvelle Vague também tiveram sucesso a solo: Camille, Phoebe Killdeer, Mélanie Pain e Nadéah Miranda são alguns bons exemplos. Depois de alguns anos parados, Collin e Libaux regressaram em 2016 com a edição de “I Could Be Happy”, um disco que incluía alguns originais.  E esse risco dentro de uma fórmula já conhecida, e testada com sucesso, sempre fez parte da identidade dos Nouvelle Vague. Em 2019 a banda completou 15 anos de existência e festejou-os com aquilo que de melhor sabem fazer: concertos apaixonantes, cheios de charme e emoção. E é ainda nesse clima de celebração que a banda regressa a Portugal. Dia 2 de julho, temas como “In A Manner Of Speaking” vão ser cantados em uníssono no Jardins do Marquês – Oeiras Valley.

 

  • 01 de julho | Lighthouse Family
  • 02 de julho | Nouvelle Vague
  • 03 de julho | Seu Jorge & Daniel Jobim Cantam Tom Jobim
  • 04 de julho | Yusuf / Cat Stevens
  • 06 de julho | Camané & Mário Laginha
  • 07 de julho | Rufus Wainwright