“O Fado da Cítara Portuguesa” pelas mãos de Pedro Caldeira Cabral chega a 19 e a 25 de Março ao CCB e Casa da Música

O reconhecido compositor e multi-instrumentista conta com mais de 50 anos de carreira num percurso focado na valorização e promoção do legado patrimonial da Guitarra Portuguesa, distinguido pela condecoração, em 2018, com o Grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique atribuído pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Defensor da tradição solística do instrumento nacional, Pedro Caldeira Cabral apresenta-se em palco em vários formatos com programas que expõem a diversidade musical do instrumento, conquistando públicos, nacional e internacionalmente.

Em 2017, Pedro Caldeira Cabral renomeou o seu instrumento de eleição para “Cítara Portuguesa”, como uma forma de promover a ligação à tradição europeia que remonta ao século XVI.

Em Maio de 2019, o Museu do Fado inaugurou uma exposição sobre a Guitarra Portuguesa, comissariada por Pedro Caldeira Cabral com peças maioritariamente do seu espólio pessoal. O sucesso e a relevância desta iniciativa e todo o interesse despoletado no público originou o convite do Museu do Fado a Pedro Caldeira Cabral para se apresentar em nome próprio no ciclo “Há Fado no Cais” no CCB.

Sob o título “O Fado da Cítara Portuguesa“, Pedro Caldeira Cabral apresentar-se-á em Trio revelando toda a potencialidade da “Cítara Portuguesa”. O público será surpreendido pela versatilidade e expressão musical deste instrumento, pelo seu percurso ao longo dos séculos e também por composições inéditas de Pedro Caldeira Cabral.

Acompanhando-o neste espetáculo estarão Joaquim Silva no Violão e Duncan Fox no Contrabaixo, seus fiéis companheiros neste percurso de anos na constante valorização da Guitarra Portuguesa como instrumento solístico.

O Fado da Cítara Portuguesa” chegará a Lisboa e ao Porto, num espetáculo de enorme qualidade, muito pessoal e intimista, conduzido pela mestria e experiência de Pedro Caldeira Cabral.

19 de Março às 21H00, no Centro Cultural de Belém
25 de Março às 21H30 na Casa da Música

 

“Quis o destino que nas minhas deambulações por bibliotecas, alfarrabistas e feiras de velharias por todo o país, tivesse recolhido um razoável número de manuscritos musicais contendo peças antigas do repertório da cítara portuguesa, muitas de autor desconhecido e datáveis desde os últimos decénios do século XVIII até ao início do século XX.

A música que aí encontramos é uma mistura de géneros: o Fado de salão, as danças da Fofa, do Fandango, do Sarambeque, da Valsa, da Mazurca, do Maxixe ou da Chula.

A Cítara Portuguesa tem vindo a despertar um interesse crescente dos públicos atentos à fruição de géneros musicais diferentes do uso mais tradicional deste instrumento e a sua apresentação no contexto de festivais de música clássica e popular é cada vez mais frequente. Para tal temos vindo a contribuir com a criação de um novo repertório solístico alargado, constituído por composições originais e transcrições de peças de música do passado.

Na escolha deste programa, proponho-me assinalar um claro interesse na utilização plena dos recursos expressivos característicos da Cítara Portuguesa com leituras interpretativas que valorizem as diversas opções estéticas de acordo com uma perspectiva performativa historicamente informada.

Pedro Caldeira Cabral