Luís Represas – Um Coliseu cheio de Alma

A comemorar 43 anos de carreira, o músico Luís Represas apresentou-se esta terça feira, dia 30 de Abril, naquela que considera ser a sua casa e a sala que acarinha os músicos Portugueses, o Coliseu de Lisboa.

“Boa hora”, nome que dá título ao seu último trabalho, foi também o tema escolhido para iniciar a noite, que prometia ser de festa.

A canção que se segui foi “A hora do lobo”que conseguiu a simpatia do público que rapidamente se pôs a cantar o refrão.

“Cinema estrada” foi explicada como a sequela do tema “125 azul” e contou com a presença em palco de outros dois grandes nomes da música portuguesa, Jorge Palma e Paulo Gonzo, que receberam um forte aplauso por parte do público, e que marcaram momentos de extremo carinho por parte de Represas para com os seus amigos.

Descrita como a homenagem ao berço da sua música, os Trovante, “Sagres” encantou a multidão.

Os convidados que se seguiram foram Manuel Faria, no piano, e Mia Rose que interpretaram a música “Na curva do horizonte”.

Mia saiu e Manuel continuou em palco em dueto, sem banda a tocar, um no piano e outro com a sua voz característica a cantarem um tema dedicado ao casal Maria Manuela e António Ramalho Eanes que estavam presentes na sala. Esta música gerou um dos momentos mais arrepiantes da noite, com o público a cantar em uníssono “Perdidamente” e no final toda a plateia se levantou para aplaudir.

“Um caso mais” levou Luís Represas ao piano, o que conquistou a audiência logo nos primeiros acordes, levando muitas das pessoas a cantarem o tema.

O tema “Promessas”, escrito por Carolina Represas, filha do cantor, foi o tema seguinte, cantada de forma orgulhosa por um pai babado.

O último convidado da noite foi Ivan Lins, que entrou em palco para juntos cantarem “Asas de anjo”.

“Feiticeira” foi um dos temas que logo aos primeiros acordes levou a que o público cantasse, não só o refrão, mas a música completa,  tendo no final havido uma ovação de pé por parte dos presentes.

Acompanhadas por um coro muito afinado (a plateia), “Memórias de um beijo”, “Da próxima vez” e “Eu dou” foram as músicas que se seguiram.

“Foi como foi” levou à despedida da banda que saiu ao som de fortes aplausos com todos as pessoas de pé.

Para encanto de todos, no encore foi possível ouvir “Chave de sonho” e “Timor”, o que gerou muito carinho por parte do público.

A última música que se ouviu nesta noite incrível, foi “125 Azul” e todo o coliseu se encontrava em êxtase a cantar e a dançar, e Luís Represas aproveitou a energia do público e desceu do palco e deu uma volta ao recinto interagindo com as pessoas que ia encontrando no seu caminho.

Foi com certeza uma noite memorável que todos guardarão com carinho nas suas memórias.

Flickr Album Gallery Pro Powered By: wpfrank

Texto: Raquel Coelho
Fotos: Jorge Torres Carmona