“Road do SBSR” Abre Caminho Para o 25º SUPER BOCK SUPER ROCK

A aposta na nova música portuguesa continua a ser forte, como sempre tem acontecido ao longo destas 25 edições de Super Bock Super Rock. Conan Osiris, Conjunto Corona, Galgo, Glockenwise e Sallim são alguns dos nomes que confirmam essa aposta na 25ª edição do Festival. Cinco nomes, que para além de atuarem no Super Bock Super Rock, vão também atuar de norte a sul do país, num warm up durante cinco fins de semana, a abrir caminho para o Festival, com a “Road to SBSR”.

Conan Osiris
é o alter ego de Tiago Miranda, um artista que está empenhado em mostrar que há um passo de dança em cada nota musical do seu disco de estreia “Adoro Bolos”, editado em 2017. As suas influências são variadas e bebe de géneros tão diferentes como fado, hip hop, canto cigano ou magrebino e até metal. O nome Conan Osiris atingiu uma popularidade a nível nacional graças à sua participação no Festival da Canção com o tema “Telemóveis” (mais de dois milhões de pessoas já se ligaram ao tema através do YouTube). E há uma coisa que ficou imediatamente clara para todos: é impossível ficar indiferente a Conan, seja qual for a opinião em relação ao músico. Romântico e humorista ao mesmo tempo, Conan Osiris é um dos projetos mais refrescantes da música portuguesa feita hoje e promete conquistar (ainda mais) o público do Super Bock Super Rock, dia 18 de julho, no Palco Somersby.

Conjunto Corona
São dB e Logos, duas distintas personagens do hip hop nacional que uniram ideias em comum. dB é o produtor e muito provavelmente o maior cleptomaníaco de samples em Portugal – tudo tem potencial para ser reutilizado nos seus beats –, e Logos é o rapper de serviço e, muito provavelmente, aquele com mais facetas em Portugal, sendo quase camaleónica a forma como aborda cada música. Depois de dois álbuns editados em 2014 e 2015 (“ Lo-Fi Hipster Sheat ” e “ Lo-Fi Hipster Trip”), o Conjunto Corona lançou “Cimo de Vila Velvet Cantina” no ano de 2016. Seguindo este bom ritmo de edições, em 2018 chegou mais um capítulo desta história. “Santa Rita Lifestyle” é o novo disco do Conjunto Corona, inspirado pela rotunda de Santa Rita, “enclave místico na junção dos terrenos sagrados de Águas Santas, Ermesinde, Valongo e Baguim do Monte”. O Conjunto procura a maturidade ao mesmo tempo que mantém a mesma infantilidade de sempre, uma intenção que se faz notar em canções fortemente urbanas, até um pouco marginais, e quase sempre psicadélicas. O objetivo é o mesmo de sempre: “não quer fazer rap quadrado”. Há a oportunidade de ouvi-los ao vivo, dia 19 de julho, no Palco EDP do Super Bock Super Rock.

Galgo
São uma das bandas mais interessantes no que ao rock português diz respeito. Os Galgo são quatro: Miguel Figueiredo (guitarrista), Alexandre Moniz (guitarrista), João Figueiras (baixista) e Joana Baptista (baterista). Num primeiro momento, influenciados por nomes como os Arctic Monkeys ou The Strokes, os Galgo estrearam-se em 2015 com o lançamento do EP5. Em 2016 editaram o disco de estreia, “Pensar Faz Emagrecer”. Notavam-se as influências do pós-rock, um toque de afrobeat e as influências de bandas como os portugueses PAUS ou os norte-americanos Battles. Mas também se notava uma linguagem própria, uma linguagem Galgo. E isso fica ainda mais evidente em “Quebra Nuvens”, o disco editado em 2018. E o título parece uma descrição daquilo que podemos ouvir no disco: duro, às vezes tribal, mas também um tanto atmosférico em outros momentos, sempre na medida certa. Temas como “Banho Quente” e “Tira-Teimas” são marcas do talento dos Galgo, um talento para ficar a conhecer melhor dia 19 de julho, no Palco LG by Rádio SBSR do Super Bock Super Rock.

Glockenwise
Quando Nuno Rodrigues, Rafael Ferreira e Rui Fiúsa decidiram avançar com os Glockenwise tinham apenas 16 anos de idade. E hoje podemos dizer com toda a certeza que essa ideia adolescente foi mesmo uma boa ideia. Os Glockenwise são um dos projetos mais interessantes da música portuguesa. O primeiro disco, “Building Waves”, editado em 2011, já mostrava as boas ideias da banda, que viriam a tornar-se cada vez mais densas nos álbuns seguintes: “Leeches” e “Heat”, editados em 2011 e 2015, respetivamente. O novo disco viu a luz do dia em 2018 e traz uns Glockenwise diferentes. A maturidade chegou, a urgência punk abrandou um pouco e a banda dá-nos aquele que é o seu melhor disco até este momento e um dos melhores discos da música portuguesa nos últimos anos. Depois de três discos cantados em inglês, a nossa língua assume o protagonismo neste quarto disco da banda. Dos gestos mais prosaicos do quotidiano até aos temas mais profundos, inclusive a tal maturidade, tudo pode ser assunto destas belas canções – e, curiosamente, em “Plástico”, tudo soa verdadeiramente genuíno. O público do Super Bock Super Rock espera-os, dia 18 de julho, no Palco EDP.

Sallim
Chama-se Francisca Salema e começou a assinar Sallim graças ao tumblr que criou em 2013. Andou em Belas Artes, depois mudou-se para Letras, e talvez haja um pouco desses dois universos na música que faz: a construção de uma atmosfera muito própria, muito visual, acompanha o gosto por cantar em português, com um enorme à vontade com a nossa língua. Em 2016, editou “Isula”, o seu primeiro disco. Folk à portuguesa, dream pop ou qualquer outro rótulo parece chocar com a verdadeira motivação de Sallim: fazer canções e fazê-las bem. E é isso que continua a fazer, de ano para ano. E no início de 2019, editou o seu segundo disco, “A Ver o que Acontece”. Gravado no Golden Pony entre Maio e Junho de 2018, este segundo registo foi produzido por Eduardo Vinhas e pela própria Sallim. As letras são de uma simplicidade desarmante e revelam algumas dores de crescimento da parte de alguém que às vezes “só quer ficar na cama”. As canções, essas, continuam um encanto, como se percebe quando ouvimos “Primavera Nova” ou “Não Vale a Pena Pensar”. Mas vale a pena ver e ouvir Sallim, dia 18 de julho, no Palco LG by Rádio SBSR do Super Bock Super Rock.

“ROAD TO SBSR” abre caminho para o 25º Super Bock Super Rock

As comemorações da 25.ª edição do Super Bock Super Rock começam já a partir de 6 de abril, com o Road to SBSR, um circuito de 25 concertos promovidos pela Super Bock, em parceria com o Maus Hábitos. O Road to SBSR acontece entre abril e junho, em 7 datas (6, 13, 26 e 30 de abril, 4 e 18 de maio e 1 de junho) e vai passar por 16 cidades, de norte a sul do país, descentralizando a música ao vivo dos circuitos habituais, culminando na 25ª edição do Super Bock Super Rock. 

A Super Bock promove o Road to SBSR para reforçar o seu compromisso com a música e que combina com uma data tão especial, a realização do 25.º Super Bock Super Rock, o festival que é o seu expoente máximo neste território e do qual é naming sponsor desde a primeira edição. Durante dois meses, além da Música Autêntica, a Super Bock vai também proporcionar a melhor experiência cervejeira, como já tem sido hábito nos eventos sob o naming Super Bock

Novas confirmações a anunciar brevemente.

 

Já confirmados:

18 de julho
Palco Super Bock – Lana Del Rey, The 1975, Jungle, Cat Power
Palco EDP – Metronomy, Branko, Glockenwise
Palco Somersby – Conan Osiris
Palco LG by Rádio SBSR – Sallim

 

19 de julho
Palco Super Bock – Kaytranada, Christine and the Queens, Shame
Palco EDP – Charlotte Gainsbourg, Calexico and Iron & Wine, FKJ, Conjunto Corona
Palco LG by Rádio SBSR – Galgo

20 de julho
Palco Super Bock – Migos, Disclosure DJ Set, Profjam
Palco EDP – Masego, Superorganism