Bandida a 12 de Outubro no Cineteatro D. João V  

Raivas, dores, doçuras e contradições numa voz que junta ao fado, e ao jazz, a garra do timbre mestiço para afirmar o ser mulher. Marta Dias e Carlos Barreto Xavier criaram doze canções em Português feitas para cantar com ternura, atrevimento e ousadia. Ah, Bandida.

Com o primeiro single “A Canção da Bandida” já a rodar na rádio e já disponível em todas as plataformas digitais (Apple Music, Spotify, iTunes, Google Play/YouTube, Amazon,   Pandora,   Deezer,   Tidal,   Napster,   iHeartRadio,   ClaroMusica,   Saavn, MediaNet).

A partir do dia 6 de Julho poderá encontrar o álbum numa loja perto de si!

As doze canções são fruto da parceria entre Marta Dias e Carlos Barreto Xavier e nasceu da composição, “Esse Meu Amor”, que integrou o “Best Of” da cantora.

Para acompanhar a voz de Marta Dias e o piano de Carlos Barreto Xavier, Bandida conta com a cumplicidade de Ruca Rebordão, nas percussões e de Yuri Daniel (baixo elétrico) cujo percurso musical é bem conhecido de todos e que acompanha Jan Garbarek em concerto, e Pedro Zagalo, Hammond.

Marta Dias
Alia elementos urbanos, contemporâneos e telúricos, saberes e sabedorias,  intuições  bem  pensadas,  sensualidade  em equilíbrio  com  contenção. YUE,é o seu álbum de estreia em 1997 de onde se destaca o single “Gritar”. Ao segundo disco encontrava-se AQUI (1999), mas já projetava pontes improváveis de “Ossobó” a  “Quase Fado”. Foi  com o  fado  que Marta Dias correu  mais mundo, cedendo-lhe o timbre mestiço e o jeito jazzy que guardou da escola do Hot Club de Portugal.

Carlos  Barreto  Xavier
Nasceu  em  Goa,  Índia.  Compositor,  teclista  e  produtor musical, tem uma vasta obra editada e desenvolve intensa atividade artística (Anjos, António Chainho, Delfins, Hands on Aproach, João da Ilha, Jorge Roque, Katia Guerreiro, Marta Dias, Radiophone, Ritual Tejo, Santos e Pecadores e Passione). Desenvolve trabalho solidário e investiga as relações entre a música e a educação no ensino básico, tal como a inclusão social pelas artes.

Bandida

Ela vive de noite e perde-se de dia.

O caminho da Bandida é feito de muitas memórias, saudades, lamentos e raivas.

A Bandida, como um tigre, já não tem ilusões. Habita a crueza da realidade, crava garras nos artifícios, e rebenta todos os altares antigos. É má e orgulha-se disso.

Quando sobe ao palco para contar a sua história, a Bandida traz uma arca cheia de contos e poemas. Traz a Canção que lhe dá o nome, traz o Lamento da Princesa Errante, traz a Cantiga da Loba da Noite, e muitas mais, com travo ao vinho e aos charutos que nunca bebeu nem fumou, mas que soube imaginar com maestria.

A Bandida não pede desculpa. Vai entrar pela vossa porta e instalar-se nos vossos corações. Agradeçam-lhe. Vai valer a pena.


Bandida / Alinhamento
Marta Dias e Carlos Barreto Xavier

  • A canção da bandida (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Esse meu amor (Letra: Marta Dias/Música: Carlos B. Xavier)
  • O lugar do amor (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Lamento da princesa errante (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Não sei que seja (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Fado luz e sombra (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Cantiga da loba da noite (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos Xavier)
  • Meu bem (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Talvez amar (Letra: Marta Dias/Música: Carlos B. Xavier)
  • À porta (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Amor é fogo que arde sem se ver (Letra: Luís Vaz de Camões/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)
  • Mais tarde (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)